26/09/2019

º Simples palavrinhas... º





Numa dessas nossas andanças pelas praias do Nordeste, que tanto amamos, além das belezas delas, em nossas caminhadas, adoro parar e ver as barraquinhas de verduras, as feirinhas improvisadas.

Nessa que mostro, todas embaladas, legumes misturados, envoltos numa rede, prontos para um bom sopão ou cozido.

Aqui na cidade encontramos de tudo, mas nos balcões bem arrumados, cheio de cores e prontos pra nos cobrar por cada um deles.

Lá, nas barraquinhas, a simplicidade, a fala da vendedora com o bom sotaque que tanto gosto de ouvir e ainda o seu sorriso que mostrava por vezes que a falta de dentes pode ser substituída por lábios que sabem se abrir e alegrar o dia dos que ali passam ou compram.

Isso tudo, sabendo que até a banquinha ser montada, muito trabalho antes aconteceu...

E nada esmorece quem tem a alegria e amor pelo que faz...









13/09/2019

º Desafio de escrita dos pássaros #1 º




* Participação num novo DESAFIO. O desafio de escrita dos Pássaros!!!

O tema de hoje: Problemas, só problemas...

Bolhas e ciclos


Billa ,moça aparentemente tranquila.

Na sua vida, porém, problemas não sabia enfrentar.

A cada novo que surgia, bolhinhas de sabão ,

Billa se punha a "soltar"...



Assim passava seus dias...

Por dentro, tensa...

Quem a olhava, nada percebia!


Enquanto aparentemente brincava, jogava ao ar seus problemas...

Esperava soluções coloridas como os reflexos por elas formados...


Elas não vinham, apenas cresciam, acumulavam-se os problemas...


Mas Billa, continuava, sempre sempre a bolhas soprar...


As soprava para longe......

Aparentemente ,"afastava" problemas.


Certo dia, o sopro de um vento muito forte trouxe de volta cada bolha que soprava..

Em seu rosto explodiam...

Respingos ...

Só nessa hora, parece Billa ter acordado!


Os problemas não podiam assim ser resolvidos.

Todos voltavam naquele dia , retornavam para ela.

Deu-se conta então, que só ela mesma poderia resolver.

Teria que crescer e enfrentar...

Assim fez, agora já bem consciente.

Mudou atitudes, hábitos, pensamentos...

Conseguiu.


Tornou-se uma mulher decidida, de sucesso no trabalho e na vida...

Pouco tempo lhe sobra, está sempre muito ocupada.


De saída para o trabalho, um dia vê sua filhinha fazendo bolhinhas de sabão, vai até ela e questiona:



_O que estás soprando em cada bolha?


Ouve como resposta:


_ Sopro teu trabalho, sopro tua falta de atenção comigo, sopro teu pouco tempo em casa, sopro ficar atirada diante da tv por falta de quem comigo brincar...


Billa, assustada, vai mais pertinho. Abraça a filha que, com seus apenas oito anos lhe dera uma verdadeira aula.


Pega o copinho com a espuma e começa a soprar...

Sopra agora a sua falta de visão..


Naquele dia, no passado, em que pensou ter resolvidos seus problemas, hoje vê que apenas deixou de os soprar. Mas que continuavam ali...


E estavam retornando...

Apenas adormeceram por um tempo, enquanto ela fingia estar bem...


Agora, as duas precisavam de ajuda.

Os problemas da filha, só poderiam ser resolvidos se ela resolvesse os seus...


Uma cadeia formada, mas nada indissolúvel, pois o amor havia, existia desde sempre nas duas e brilhava como os reflexos das bolhinhas...


O tempo novamente passa...

Agora, tudo em paz, as duas ainda sopram bolhas ao ar. Gostam de com elas brincar!

Porém Billa sopra para sua netinha, enquanto a filha as olha com carinho...


Eram agora sopros de cores, bolhas, não problemas.

Sopravam o bem, o amor!

E esse, sabiam não mais iria estourar...

Seus respingos eram percebidos pelo brilho daqueles seis olhos...



chica




04/09/2019

º Aproveitemos... º




Aproveitemos bem a vida...

Assim agindo, ela pode parecer bem "redondinha" e ser melhor desfrutada!

Aproveitemos enquanto dá e tenhamos a sabedoria de fazer renúncias... Ainda que aos olhos de outros possa bobagem parecer, sigo meu coração e intuição...

E foi assim que, recentemente, em meio a uma noite, tive uma luz, um clarão de ideias enquanto dormia que me fez com uma certeza acordar...

Naquela noite envelheci... Será?

Afinal 70 anos deixam marcas e em mim, além de tantas outras, me fez decidir nunca mais dirigir.

E assim pretendo fazer! Interessante essa perda de coragem chegar assim e tão fortemente me abater! Mas a ele, irei atender!

Há muito tempo não me sentia atraída por essa função, mas de repente, a luz se fez..

Essa fase ficou pra trás. E a vida poderá ser redondinha do mesmo jeito...

Saber renunciar , saber aceitar as fraquezas da idade, já é uma boa!

E assim, minha vida sem direção há de rolar!!!



chica