13/09/2019

º Desafio de escrita dos pássaros #1 º




* Participação num novo DESAFIO. O desafio de escrita dos Pássaros!!!

O tema de hoje: Problemas, só problemas...

Bolhas e ciclos


Billa ,moça aparentemente tranquila.

Na sua vida, porém, problemas não sabia enfrentar.

A cada novo que surgia, bolhinhas de sabão ,

Billa se punha a "soltar"...



Assim passava seus dias...

Por dentro, tensa...

Quem a olhava, nada percebia!


Enquanto aparentemente brincava, jogava ao ar seus problemas...

Esperava soluções coloridas como os reflexos por elas formados...


Elas não vinham, apenas cresciam, acumulavam-se os problemas...


Mas Billa, continuava, sempre sempre a bolhas soprar...


As soprava para longe......

Aparentemente ,"afastava" problemas.


Certo dia, o sopro de um vento muito forte trouxe de volta cada bolha que soprava..

Em seu rosto explodiam...

Respingos ...

Só nessa hora, parece Billa ter acordado!


Os problemas não podiam assim ser resolvidos.

Todos voltavam naquele dia , retornavam para ela.

Deu-se conta então, que só ela mesma poderia resolver.

Teria que crescer e enfrentar...

Assim fez, agora já bem consciente.

Mudou atitudes, hábitos, pensamentos...

Conseguiu.


Tornou-se uma mulher decidida, de sucesso no trabalho e na vida...

Pouco tempo lhe sobra, está sempre muito ocupada.


De saída para o trabalho, um dia vê sua filhinha fazendo bolhinhas de sabão, vai até ela e questiona:



_O que estás soprando em cada bolha?


Ouve como resposta:


_ Sopro teu trabalho, sopro tua falta de atenção comigo, sopro teu pouco tempo em casa, sopro ficar atirada diante da tv por falta de quem comigo brincar...


Billa, assustada, vai mais pertinho. Abraça a filha que, com seus apenas oito anos lhe dera uma verdadeira aula.


Pega o copinho com a espuma e começa a soprar...

Sopra agora a sua falta de visão..


Naquele dia, no passado, em que pensou ter resolvidos seus problemas, hoje vê que apenas deixou de os soprar. Mas que continuavam ali...


E estavam retornando...

Apenas adormeceram por um tempo, enquanto ela fingia estar bem...


Agora, as duas precisavam de ajuda.

Os problemas da filha, só poderiam ser resolvidos se ela resolvesse os seus...


Uma cadeia formada, mas nada indissolúvel, pois o amor havia, existia desde sempre nas duas e brilhava como os reflexos das bolhinhas...


O tempo novamente passa...

Agora, tudo em paz, as duas ainda sopram bolhas ao ar. Gostam de com elas brincar!

Porém Billa sopra para sua netinha, enquanto a filha as olha com carinho...


Eram agora sopros de cores, bolhas, não problemas.

Sopravam o bem, o amor!

E esse, sabiam não mais iria estourar...

Seus respingos eram percebidos pelo brilho daqueles seis olhos...



chica




04/09/2019

º Aproveitemos... º




Aproveitemos bem a vida...

Assim agindo, ela pode parecer bem "redondinha" e ser melhor desfrutada!

Aproveitemos enquanto dá e tenhamos a sabedoria de fazer renúncias... Ainda que aos olhos de outros possa bobagem parecer, sigo meu coração e intuição...

E foi assim que, recentemente, em meio a uma noite, tive uma luz, um clarão de ideias enquanto dormia que me fez com uma certeza acordar...

Naquela noite envelheci... Será?

Afinal 70 anos deixam marcas e em mim, além de tantas outras, me fez decidir nunca mais dirigir.

E assim pretendo fazer! Interessante essa perda de coragem chegar assim e tão fortemente me abater! Mas a ele, irei atender!

Há muito tempo não me sentia atraída por essa função, mas de repente, a luz se fez..

Essa fase ficou pra trás. E a vida poderá ser redondinha do mesmo jeito...

Saber renunciar , saber aceitar as fraquezas da idade, já é uma boa!

E assim, minha vida sem direção há de rolar!!!



chica






22/08/2019

º Pensando...º










Um pedaço de telhado, uma parte da árvore que o cobre...

E o Grande Telhado que nos cobre e abriga?

Nem precisa aparecer!

Está lá!

Sentimos a presença!

chica


04/08/2019

º Eles pedem tão pouco... º



Em nossas andanças e caminhadas nas férias de repente esse serzinho acima passou a nos seguir.

Ele caminhava ao nosso lado e me olhava, parecendo provocar à brincadeiras.

Corria e pegava  pedaços de troncos que encontrava e olhava, pedindo pra que tirássemos dele ...

Numa dessas, consegui atirar longe o "brinquedinho" dele e para minha surpresa, após meu movimento de arremesso, ele parou ,colocou o rabinho no meio das pernas e ficou com olhar triste, olhando de longe.

Nessa hora nos demais conta que o pobrezinho está tão acostumado a receber maus tratos, pessoas que atiram algo nele para enxotá-lo, que não soube brincar comigo.

Após muitas tentativas ele se aproximou e então acarinhei sua cabecinha e ele ficou novamente nosso amigo.

Deu uma pena enorme e mais uma vez fica constatado que ele guarda na memória tantas coisas ruins que  tem medo de mais uma acontecer...

Ainda bem, ficamos aliviados quando ele aceitou brincar novamente e confiou em nosso carinho.  Foi um parceiro em uma linda caminhada. Valeu!

Dele não esqueceremos e torceremos para que encontre pessoas que apenas o acarinhem...Eles apenas disso precisam e merecem muito!

chica



Vi nas férias e achei muito bem feito esse lembrete!!!