15/06/2018

  º Simples Assim... º





Por si só a imagem já nos remete à coisas boas...
Férias, sol, céu azul e  mar...
No caso, essa foi clicada à beira de uma piscina num clube.

Mas o que mais me chamou foi a frase: SIMPLES ASSIM!

Tão pouco precisamos e tanto complicamos pela vida afora!

Em época de férias somos felizes com  tão pouco... Precisamos roupas de banho, chinelos, chapéu, protetor, muita água, sol e mar...

De volta delas, tudo muda, é óbvio. Mas a simplicidade não deveria mudar!
Temos tanto e sempre parece precisamos mais e mais.  Até quando essa "bandeira" vai  vigorar em nossas vidas?

Tenhamos cuidado, pois na angústia de tanto ter, arrecadar, juntar, podemos esquecer de coisas simples como o hoje VIVER!

SIMPLES ASSIM, mas podemos nisso pensar!




29/05/2018

º A importância da poupança... º



O consumo faz bem para o país. Faz muito bem, mesmo. No entanto, antes dele deve haver a poupança, que é algo muito mais importante do que as pessoas pensam.

Gastar, comprar algo, é bom. Nós adquirimos um produto e o vendedor ganha dinheiro, com o qual também irá adquirir alguma coisa. É um fluxo contínuo que está sempre presente em nossas vidas, embora não possamos ver.

Mas, antes de consumir, antes de fazer qualquer investimento, deve-se poupar.  O consumo, sem a poupança, não vale nada.

O ato de poupar permite que façamos planos: dá tempo de pensar no melhor investimento a se fazer e permite a realização de um sonho, em um futuro próximo ou longínquo .

É melhor ter poupança e não consumir do que consumir e não ter poupança.


Neno



15/05/2018

º Passemos "levemente"... º

Quando em meio às mais simples tarefas estamos "ligadas", delas ou nelas podemos lições tirar pelos caminhos da vida...

Até num simples pote de manteiga...

Podemos " passar" delicadamente não estragando caminhos ou "pisar"sem dó nem piedade, fazendo sulcos, deixando marcas feias e "fundas" para quem depois de nós por ali chegar...



Trazendo novamente para a manteiga, não suporto chegar quando já fizeram buracos ou fendas parecendo vulcânicas, rs...

Quem gosta? Prefiro encontrá-la delicada e alisadinha...


Mas nem sempre essa sorte temos...


Fica  a reflexão: tenhamos passos leves...


Que nossas marcas deixadas sejam delicadas, não importando o tamanho dos nossos "pés ou facas"...


Tudo fica mais bonito...Até a manteiga que o outro vai ter que usar, depois de nós,  para passar no seu pão...




chica



30/04/2018

  º O caminho º



Era domingo, dia 3 de janeiro. Acordei às 4:30 da manhã, com forte inquietação. Suor escorria pelo meu rosto, demonstrando que eu não tivera um bom sono. Entretanto, eu sequer me lembrava o que eu havia sonhado. Fui para fora de casa com o intuito de pegar um ar e relaxar, mas acabei me angustiando ainda mais.

Havia um bilhete dentro de um cartão cinza que fora colocado ao lado da porta da residência. Abri prontamente o envelope e me deparei com uma mensagem um tanto estranha, com os dizeres:

“Fuja ou este será o teu último dia.”

Pensei que era algum tipo de brincadeira de péssimo gosto. Joguei o cartão fora e continuei

normalmente o meu dia. Tomei o café da manhã, escovei os dentes, me vesti e fui ao trabalho. As lojas estavam todas fechadas, com cartazes e fitas pretas, e não havia uma pessoa nas ruas. Estava completamente nublado, mas não chovia.

Depois de passar pelos vazios, escuros e silenciosos corredores do prédio, finalmente cheguei ao meu escritório. Nele, havia um mural com fotos de alguns momentos que eu tive. Alguns felizes, outros tristes. Alguns recentes, outros bem antigos. Mas o mais estranho era que eu não conseguia me lembrar quando havia colocado estas imagens no mural.


Por um momento, parei para refletir: não havia ninguém na rua, as lojas estavam fechadas, havia faixas e fitas pretas por toda parte, memórias e fotos no escritório… Foi então que, no meio de tanta escuridão, encontrei a luz da razão. A brincadeira de péssimo gosto, na verdade, nunca foi uma brincadeira.

* TEXTO ESCRITO PELO NENO